ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA REDUÇÃO DO LINFEDEMA NA PACIENTE MASTECTOMIZADA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • Cícera Alexsandra Nascimento da Silva UNILEÃO
  • Cicero Jefferson Martins Caetano UNILEÃO
  • Larissa Gonçalves da Silva UNILEÃO
  • Rafaela Macêdo Feitosa UNILEÃO

DOI:

https://doi.org/10.16891/2317-434X.v.10.e1.a2022.pp1247-1250

Resumo

A mastectomia é um procedimento cirúrgico conservador que consiste na retirada de uma das mamas ou ambas, com intuito de promover a ressecção do tumor ou das células neoplásicas adjacentes. Entretanto, trás consigo o linfedema; uma complicação tardia e bastante comum em decorrência dessa abordagem. As condutas fisioterapêuticas objetivam reduzir o volume do membro e os sintomas provenientes do linfedema, devolvendo qualidade de vida e funcionalidade sobre o membro acometido. Esse trabalho objetivou analisar as abordagens fisioterapêuticas mais eficazes e utilizadas para a redução do linfedema em pacientes pós-mastectomizadas. A presente pesquisa se caracteriza como uma revisão integrativa, realizada entre Setembro e Outubro de 2021, a partir do levantamento de artigos científicos publicados nos últimos 5 anos, por meio das revistas eletrônicas especializadas PUBMED, BVS e PEDro utilizando como descritores: mastectomy, lymphedema e physiotherapy, através do operador boleano AND. Selecionou-se 6 artigos e os mesmos demostraram que entre as principais condutas fisioterapêuticas realizadas para resolução do quadro, estão incluídos a terapia descongestiva complexa, enfaixamento em multicamadas, drenagem linfática manual, e compressão pneumática intermitente. Todas as terapias se mostraram eficazes quando utilizadas individualmente ou em associação, demostrando melhora e grande influência na redução do linfedema e circunferência do braço edemasiado. Diante da leitura dos estudos, conclui-se que a atuação da fisioterapia é fundamental no processo de reabilitação nas pacientes mastectomizadas; visto que suas condutas visam melhorar a qualidade de vida, reduzir quadro álgico, edema e limitações para as AVD’s, e devolver a funcionalidade as pacientes.

Downloads

Publicado

2022-02-07

Edição

Seção

Artigos