ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II: RELATO DE EXPERIÊNCIA NA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO INTERIOR NORDESTINO

Autores

  • Samuel José Amaral de Jesus Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.16891/649

Resumo

O biomédico exerce um papel de suma importância no enfrentamento das situações de saúde, através do diagnóstico de diversas patologias, e também colabora à prevenção e tratamento com fins específicos. Entre as áreas de atuação ou habilitação profissional, a Saúde Pública e o Sanitarismo se destacam quanto ao papel da Vigilância em colaborar para a investigação de doenças e agravos, como também à qualidade dos produtos e serviços de saúde oferecidos para a população. Diante disso, a presente produção tem como objetivo relatar as experiências obtidas no Estágio Curricular Supervisionado II, do Curso de Bacharelado em Biomedicina, realizado no último período da graduação, na Secretaria de Saúde de um município do interior do Nordeste brasileiro, na área da Vigilância. A partir dos aspectos teóricos, aliados à prática adquirida ao longo das 500h do estágio, foi possível observar que o mesmo contribuiu para a aquisição de saberes e experiências, como para fortalecer o campo de atuação do biomédico, sendo sugerida a especificação da Epidemiologia enquanto área de atuação e habilitação, além da realização de eventos voltados para a atuação da Biomedicina na Saúde Pública.

Biografia do Autor

Samuel José Amaral de Jesus, Universidade Estadual de Feira de Santana

Bacharel em Biomedicina pela Faculdade Nobre de Feira de Santana. Especialista em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela Fundação Visconde de Cairu. Especialista em Saúde Pública pela Universidade Candido Mendes. Aperfeiçoado em Metodologia do Ensino de Biologia e Química pela Universidade Candido Mendes. Mestre em Ciências Ambientais, pelo Programa de Pós-Graduação em Modelagem em Ciências da Terra e do Ambiente, pela Universidade Estadual de Feira de Santana.

Referências

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/. Acesso em: 14 jul. 2019.

BARCELLOS, C. et al. Georreferenciamento de dados de saúde na escala submunicipal: algumas experiências no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 17, n. 01, p. 59-70, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº. 88.439, de 28 de junho de 1983. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Biomédico de acordo com a Lei nº 6.684, de 03 de setembro de 1979 e de conformidade com a alteração estabelecida pela Lei nº 7.017, de 30 de agosto de 1982. Brasília – DF: Diário Oficial da União, 1983.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 6.684, de 3 de setembro de 1979. Regulamenta as profissões de Biólogo e de Biomédico, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Biologia e Biomedicina, e dá outras providências. Brasília – DF: Diário Oficial da União, 1979.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 7.017, de 30 de agosto de 1982. Dispõe sobre o desmembramento dos Conselhos Federal e Regionais de Biomedicina e de Biologia. Brasília – DF: Diário Oficial da União, 1979.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília – DF: Diário Oficial da União, 1990.

______. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/. Acesso em: 14 jul. 2019.

CFBM. Conselho Federal de Biomedicina. Disponível em: https://cfbm.gov.br/. Acesso em: 14 jul. 2019.

______. Conselho Federal de Biomedicina. Resolução nº. 140, de 04 de abril de 2007. Dispõe sobre a atribuição do profissional Biomédico Sanitarista. Portal de Legislação. Disponível em: https://www.diariodasleis.com.br/legislacao/federal/131927-biomedico-sanitaristadispoe-sobre-a-atribuicao-do-profissional-biomedico-sanitarista.html. Acesso em: 14 jul. 2019.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Funcionamento da administração pública – Secretarias Estaduais de Saúde. Atualizado em: 04 mai. 2016. Disponível em: https://www.conass.org.br/guiainformacao/funcionamento-da-administracao-publica-secretarias-estaduais-de-saude/. Acesso em: 14 jul. 2019.

CRBM1. Conselho Regional de Biomedicina 1ª Região. Manual do Biomédico: Edição digital – 1º semestre 2017. 2017. Disponível em: https://crbm1.gov.br/site/wp-content/uploads/2016/04/Manual-do-Biomedico-Edicao-digital-2017.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019.

______. Conselho Regional de Biomedicina 1ª Região. Revista do Biomédico, n. 123 (março/abril). 2019. Disponível em: https://crbm1.gov.br/site/wp-content/uploads/2019/05/RB_ed123.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019.

CRBM3. Conselho Regional de Biomedicina 3ª Região. Biomedicina atua diretamente na Saúde Pública. Publicado em: 13 nov. 2018. Disponível em: http://www.crbm3.gov.br/biomedicina-atua-diretamente-na-saude-publica. Acesso em: 14 jul. 2019.

CRBM5. Conselho Regional de Biomedicina 5ª Região. Áreas de Atuação. Disponível em: http://crbm5.gov.br/site/areas-de-atuacao/. Acesso em: 14 jul. 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

JESUS, S. J. A. O Papel da Educação em Saúde Frente às Implicações da Atenção Básica: Do Profissional à Comunidade. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 2, n. 7, p. 1-9, 2015.

JESUS, S. J. A. Pedagogia Universitária e Prática Didática: Um Relato de Experiência. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 10, n. 01, p. 118-124, 2019.

KATIELI, B.; PAZ, D. M. T. Importância do estágio Supervisionado para a Formação de Professores. In: Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão (e outros). 17. 2012. Rio Grande do Sul: UNICRUZ, 2012.

LAGUARDIA, J. et al. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan): desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 13, n. 03, p. 135-147, 2004.

MAIA, D. A. B. et al. Avaliação da implantação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação em Pernambuco, 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 28, n. 01, p. 1-13, 2019.

MARQUES, M. M. O uso do georreferenciamento como ferramenta de gestão na saúde pública: uma revisão de literatura. Monografia (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família). 2011. 52f. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Lagoa Santa, 2011.

POZZOBON, A. (Org.). Biomedicina na prática: da teoria à bancada. Lajeado: Ed. Da Univates, 2017.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SESAB. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Vigilância em Saúde: Laboratório Central de Saúde Pública. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/suvisa/lacen/. Acesso em: 14 jul. 2019.

SESAB. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Vigilância em Saúde: Vigilância Epidemiológica. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/suvisa/vigilancia-epidemiologica/apresentacao/. Acesso em: 14 jul. 2019.

SILVA, J. A. A.; COSTA, E. A.; LUCCHESE, G. SUS 30 anos: Vigilância Sanitária. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 06, p. 1953-1962, 2018.

Downloads

Publicado

2020-03-30

Edição

Seção

Artigos Originais