LEISHMANIOSES: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E PERSPECTIVAS DE TRATAMENTOS ALTERNATIVOS

Autores

  • Thially Braga Goncalves Universidade Federal do Piauí
  • Webertty Mayk Eufrásio de Figueiredo Centro Universitário Inta - UNINTA
  • Júlio Cesar de Castro e Silva Filho Universidade Federal do Piauí
  • Tarcisio Meirelle Aurélio França Júnior Universidade Federal do Piauí
  • Maria Jania Teixeira Universidade Federal do Ceará
  • Francisco Roberto de Azevedo Universidade Federal do Cariri

DOI:

https://doi.org/10.16891/2317-434X.v.10.e1.a2022.pp1273-1282

Resumo

As leishmanioses são antropozoonoses causadas por protozoários do gênero Leishmania, consideradas grande problema de saúde pública e representam um complexo de doenças com importante espectro clínico e grande diversidade epidemiológica. Este trabalho visa divulgar o conhecimento, por meio de uma revisão bibliográfica, sobre manifestações clínicas das leishmanioses, assim como epidemiologia e tratamento, incluindo o uso de plantas medicinais. Para isso foram utilizadas as bases de dados LILACS, MEDLINE, SCIELO e PUBMED, com os termos “leishmaniose” como descritor nuclear e “leishmaniose tegumentar”, “leishmaniose visceral” e “tratamento” como descritores complementares; nos idiomas inglês e português. As leishmanioses são diferenciadas em duas formas clínicas: visceral e tegumentar. Os pacientes podem apresentar febre prolongada, hepatoesplenomegalia, leucopenia, hipergamaglobulinemia, perda de peso e se não tratados, evoluem para um quadro de caquexia, entre outros sinais e sintomas. Essas patologias estão presentes, endemicamente, em 98 territórios, e causam cerca de 30.000 mortes por ano. Portanto, é de fundamental importância que essa doença seja tratada. No Brasil, até 2014, o protocolo de medicamentos de primeira escolha no tratamento das leishmanioses era o uso de antimoniais pentavalentes. Quando os antimoniais não são efetivos, outras medicações usadas incluem pentamidina e anfotericina B. Nesse contexto, as plantas medicinais também surgem como uma alternativa terapêutica para o tratamento dos diversos tipos de manifestação da leishmaniose. Destarte, fica nítida a necessidade de aprofundar-se os estudos sobre a leishmaniose e seu tratamento, uma doença endêmica do Brasil e que possui manifestações graves.

Biografia do Autor

Thially Braga Goncalves, Universidade Federal do Piauí

Professora Adjunta do curso de Medicina da Universidade Federal do Piauí - campus Senador Helvídio Nunes de Barros; Área Agressão Defesa e Proteção.

Webertty Mayk Eufrásio de Figueiredo, Centro Universitário Inta - UNINTA

Docente de Imunologia, Patologia e Farmacologia no Curso de Medicina do Centro Universitário INTA.

Júlio Cesar de Castro e Silva Filho, Universidade Federal do Piauí

Discente do curso de Medicina da Universidade Federal do Piauí - campus Senador Helvídio Nunes de Barros

Tarcisio Meirelle Aurélio França Júnior, Universidade Federal do Piauí

Discente do curso de Medicina da Universidade Federal do Piauí - campus Senador Helvídio Nunes de Barros

Maria Jania Teixeira, Universidade Federal do Ceará

Professora Associada de Parasitologia da Faculdade de Medicina-Universidade Federal do Ceará, Departamento de Patologia e Medicina Legal.

Francisco Roberto de Azevedo, Universidade Federal do Cariri

Professor associado III de Entomologia Agrícola do Curso de Agronomia da Universidade Federal do Cariri, no Centro de Ciências Agrárias e da Biodiversidade.

Referências

ALMEIDA, Olga Laura Sena; SANTOS, Jussamara Brito. Avanços no tratamento da leishmaniose tegumentar do novo mundo nos últimos dez anos: uma revisão sistemática da literatura. Anais brasileiros de dermatologia, v. 86, p. 497-506, 2011. DOI: doi.org/10.1590/S0365-05962011000300012.

ANVERSA, Laís. et al. Human leishmaniasis in Brazil: A general review. Revista da Associação Médica Brasileira. 2018, v. 64, n. 3, p. 281-289. DOI: doi.org/10.1590/1806-9282.64.03.281.

BRASIL. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de tecnologias no SUS. PORTARIA Nº 67, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2020. Leishmaniose tegumentar. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/l/leishmaniose-tegumentar-lt. Acesso em: 29/07/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2020. Leishmaniose visceral. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/l/leishmaniose-visceral. Acesso em: 29/07/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Leishmaniose Visceral: Recomendações Clínicas para a redução da letalidade. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. 1ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. 2ed. Brasilia: Ministerio da saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. 1. ed., 5. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CONCEIÇÃO-SILVA, F.; ALVES, C. R. Leishmanioses do continente americano / Leishmaniasis in theAmericas. Rio de Janeiro; Editora Fiocruz; 2014.

GOTO, Hiro; LINDOSO, José AngeloLauletta. Cutaneous and mucocutaneous leishmaniasis. Infectious Disease Clinics, v. 26, n. 2, p. 293-307, 2012. DOI: doi.org/10.1016/j.idc.2012.03.001.

LIMA, Patrícia Carvalho et al. Avaliação da capacidade leishmanicida de espécies vegetais do cerrado. Revista de Patologia Tropical/Journalof Tropical Pathology, v. 44, n. 1, p. 45-55, 2015. DOI: doi.org/10.5216/rpt.v44i1.34800.

LIMA, S.C.G. et al. In Vitro and In Vivo Leishmanicidal Activity of Astronium fraxinifolium (Schott) and Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng against Leishmania (Viannia) braziliensis. BioMed Research International, 2013. DOI: doi.org/10.1155/2014/848293.

LORÍA-CERVERA, E.N. & ANDRADE-NARVÁEZ, F.J..Animal models for the study of leishmaniasis immunology. Rev. Inst. Med. Trop. Sao Paulo 56(1):1-11, January-February, 2014. DOI: doi.org/10.1590/S0036-46652014000100001.

MENEZES, Júlia Alves et al. Fatores de risco peridomiciliares e conhecimento sobre leishmaniose visceral da população de Formiga, Minas Gerais. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, p. 362-374, 2016. DOI: doi.org/10.1590/1980-5497201600020013.

NEVES, Leandro Ourives et al. Estudo clínico randomizado comparando antimoniato de meglumina, pentamidina e anfotericina B para o tratamento da leishmaniose cutânea ocasionada por Leishmania guyanensis. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 86, p. 1092-1101, 2011. DOI: doi.org/10.1590/S0365-05962011000600005.

OLIVEIRA, D.A.S.; FIGUEIREDO, M.F.; BRAGA, P.E.T. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose tegumentar americana na serra da meruoca, Ceará, no período de 2001 a 2012. Sanare, Sobral, V.13, n.2, p.36-41, 2014.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (WHO -World Health Organization) The world medicines situation 2011. Traditional medicines: global situation, issues and challenges. Geneva. p. 12, 2011.

PACE, D. Leishmaniasis. Jour. of Infect., v. 69, p. 10-18, 2014.

Pan American Health Organization (PAHO): Leishmaniases: Epidemiological Report of the Americas. LeishmaniasisReportNumber 5 - April, 2017.

Pan American Health Organization (PAHO): Leishmanioses: Informe Epidemiológico das Américas. Informe de Leishmanioses Número 7 - Março, 2019.

PELISSARI, Daniele Maria et al. Tratamento da leishmaniose visceral e leishmaniose tegumentar americana no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 20, n. 1, p. 107-110, 2011. DOI: dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000100012.

SEN, Rupashree; CHATTERJEE, Mitali. Plant derived therapeutics for the treatment of Leishmaniasis. Phytomedicine, v. 18, n. 12, p. 1056-1069, 2011. DOI: doi.org/10.1016/j.phymed.2011.03.004.

WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2021. Leishmaniasis. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/leishmaniasi. Acesso em: 28/07/2021.

Downloads

Publicado

2022-02-07

Edição

Seção

Artigos