CONSTRUÇÃO E AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE UM INSTRUMENTO DIGITAL PARA A TRIAGEM PRECOCE DE CRIANÇAS EM RISCO PARA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO

Autores

  • Simone de Paula Dillenburg Universidade Feevale
  • Thamine do Amaral Universidade Feevale
  • Paulo Ricardo Muniz Barros Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.16891/2317-434X.v10.e2.a2022.pp1378-1392

Resumo

A identificação e a intervenção precoce das alterações do desenvolvimento infantil são fundamentais para o prognóstico dessas crianças. Neste sentido, o uso de ferramentas tecnológicas em equipes de saúde pode facilitar o acesso e otimizar o encaminhamento de crianças com transtornos no neurodesenvolvimento. Este estudo teve por objetivo principal construir um instrumento digital para a triagem precoce de crianças em risco para atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Constituiu-se de uma pesquisa tecnológica desenvolvida pela parceria entre o Ambulatório de Estimulação Precoce do Programa de Extensão Mãe-bebê e o Grupo de Pesquisa em Computação Aplicada da Universidade Feevale. A pesquisa foi desenvolvida através de três etapas: Fase I, construção do instrumento; Fase II, avaliação da usabilidade do instrumento; e Fase III, protótipo do instrumento em aplicativo de celular. O instrumento foi constituído de 20 questões (Fase I) com os fatores de risco considerados mais relevantes. Na Fase II, a avaliação da usabilidade foi realizada com docentes e discentes do curso de Fisioterapia, a qual mostrou que a maioria dos participantes considerou que o instrumento digital proposto é uma ferramenta importante para o uso na atenção primária e que pode facilitar o encaminhamento de crianças de risco para atraso no desenvolvimento para o Ambulatório de Estimulação Precoce. O desenvolvimento do aplicativo proposto na Fase III foi concluído parcialmente. Apesar da necessidade de ajustes e progressos no desenvolvimento desta ferramenta, o instrumento “Triagem precoce de crianças em risco para atraso no desenvolvimento” pode aprimorar e otimizar a vigilância do desenvolvimento infantil na atenção primária.

Biografia do Autor

Simone de Paula Dillenburg, Universidade Feevale

Doutora em Saúde da Criança, Docente do Curso de Fisioterapia da Universidade Feevale

Paulo Ricardo Muniz Barros, Universidade Feevale

Doutor em Computação Aplicada, docente na Universidade Feevale e Arquiteto de Software Rjm Informática

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 70 ed. São Paulo, 2011.

BLACK, MM et al. Early childhood development coming of age: science through the life course. Lancet, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Datasus. Departamento de Informática do SUS. Disponível em http://datasus.saude.gov.br/. Acesso em: 7 set. 2019.

______. Ministério da Saúde. Estratégia Saúde da Família. Disponível em: http://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/saude-da-familia/sobre-o-programa. Acesso em: 20 ago. 2019.

______. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde, Fundo das Nações Unidas para a Infância. Manual AIDPI Criança: 2 meses a 5 anos. 2017. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/julho/12/17-0056-Online.pdf Acesso em: 18 de set. 2019.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da criança – PNAISC. 1ª ed. Distrito Federal, 2018.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia sobre a estimulação precoce na Atenção Básica. Distrito Federal, 2016.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica - PNAB. Distrito Federal, 2012.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, n° 33. 1ª ed. Distrito Federal, 2012.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. Distrito Federal, 2016.

______. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional. Distrito Federal, 2017.

______. Ministério da Saúde. Telessaúde RS/ UFRGS. Aplicativo Risco Cardiovascular, 2016. Disponível em https://www.ufrgs.br/telessauders/aplicativos/ Acesso em: 18 de nov. 2019.

DEMITTO, M. O. et al. Gestação de alto risco e fatores associados ao óbito neonatal. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 51. São Paulo, 2017.

DOMANSKI, G. et al. Evaluation of neonatal and maternal morbidity in mothers with gestational diabetes: a population-based study. BMC pregnancy and childbirth, v. 18. United Kingdom, 2018.

FRANÇA, G. V. A. et al. Síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika em nascidos vivos no Brasil: descrição da distribuição dos casos notificados e confirmados em 2015-2016. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27. Brasil, 2018.

JOHNSTON, M. V. Plasticity in the developing brain: implications for rehabilitation. Developmental disabilities research reviews. 2009.

LIMA, S. S. et al. HIV na gestação: prénatal, parto e puerpério. Revista Ciência & Saúde, v.10. Rio de Janeiro, 2017.

RAMOS, B. B.; MÜLLER, A. B. Marcos motores e sociais de crianças com síndrome de down na estimulação precoce. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas, v. 4. Minas Gerais, 2020.

ROVERATI, D. S. Guia da Sexualidade: reedição ampliada e ilustrada. São Paulo, 2016.

TORRES, Alcy R. et al. Factores predominantes de encefalopatía neonatal: hipoxia e isquemia, un problema global. Medicina, v. 79. Buenos Aires, 2019.

WILLRICH, et al. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Revista Neurociências, v. 17. São Paulo, 2009.

ZAGO, J. T. C. et al. Associação entre o desenvolvimento neuropsicomotor e fatores de risco biológico e ambientais em crianças na primeira infância. Revista CEFAC, v.19. São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-15

Edição

Seção

Artigos