AVALIAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS USANDO EDTA E HEPARINA COMO ANTICOAGULANTES

Autores

  • Maria Natália Alencar da Silva Centro Universitário Doutor Leão Sampaio – UNILEÃO
  • Dárcio Luiz de Sousa Júnior Faculdade de Medicina Estácio de Juazeiro do Norte
  • Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares Centro Universitário Doutor Leão Sampaio – UNILEÃO

DOI:

https://doi.org/10.16891/386

Resumo

Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar através do hemograma, especificamente no plaquetograma a contagem de plaquetas colhidas com os anticoagulantes EDTA (Ácido etilenodiaminotetracético) e heparina. A população estudada foi constituída de uma amostra de 40 pessoas (alunos e professores), sendo que 20 foram do sexo masculino e 20 do sexo feminino, contendo entre 18 a 40 anos. As amostras foram analisadas no aparelho hematológico micros ABX 60 e foi feito o esfregaço sanguíneo para a revisão microscópica. Os resultados obtidos tiveram diferença estatisticamente significativa em relação ao uso dos dois anticoagulantes onde o P foi (<0.0001). Comparando em relação ao sexo no mesmo anticoagulante não teve variação de P, mas quando foi comparado o EDTA com a Heparina o P teve significância, mostrando assim que o EDTA deve ser o anticoagulante de escolha para analisar as plaquetas, e constatando que a heparina não deve ser usado, pois diminui muito os resultados plaquetários.

Palavras-Chave: EDTA. Heparina. Trombocitose. Trombopenia.

Biografia do Autor

Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares, Centro Universitário Doutor Leão Sampaio – UNILEÃO

Mestra em Patologia pela UFC

Referências

ARGHIRESCU, S et al. Multi-anticoagulantand EDTA dependentpseudothrombocytopenia. Case reportsontwopediatricpatients: Pseudotrombocitopeniadependent? de multi-anticoagulant?i de EDTA. Cazurile a doipacien?ipediatrici. Revista Român? de Medicin? de Laborator, Romania, v. 22, n. 2, jun. 2014.

BATSCHAUER; A. P B; CADORE, G. a. interferência do transporte e uso de diferentes anticoagulantes na contagem de plaquetas, no volume plaquetário médio (vpm) e no coeficiente de variação do volume plaquetário (pdw). itajaí- sc, 2013. 51 p. monografia- graduação em Farmácia, Universidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina, 2013.

BERGER, M.; Hemostasia: Uma Breve Revisão. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 11,

n. 1, p. 140-148, 2014.

CLELAND, J. G. Preventing Atherosclerotic EventesWith Aspirin. Br Med J, v. 324, n. 7329, 2002.

FERREIRA, C. N et al. O novo modelo da cascata de coagulação baseado nas superfícies celulares e suas implicações. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 32, n. 5, 2010.

FRANCHINI M. Heparin-induced thrombocytopenia: an update. Journal Thromb. v. 14(3):14-20.2005

GROTTO, H. Z. W..O hemograma: importância para a interpretação da biópsia. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Campinas-sp, v. 31, n. 3, 2009.

OLIVEIRA, I. et al. Plaquetas: Papéis tradicionais e não tradicionais na hemostasia, na inflamação e no câncer. Ciências da Saúde, São Paulo, v. 38, n. 3, 2013.

MUNHOZ, T.P. Como ocorre a trompopoiese? In: MARTINHO, M.S.C. Hematologia em laboratório clínico: Coleção 156 perguntas e respostas. São Paulo. SARVIER, 2012. p 34.

SILVA, J.; BEATO, S.; RODRIGUES, F. Anticoagulantes e tubos de colheita de sangue. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ANÁLISES CLÍNICAS E DE SAÚDE PÚBLICA, 2011, Castelo Branco. Anais... Castelo Branco: IPCB, 2010.

SINK, C. A., FELDMAN, B. F. Urinálise e hematologia laboratorial para o clínico de pequenos animais. São Paulo: Roca, 2006.

Downloads

Publicado

2019-01-09

Edição

Seção

Saúde