PRONTIDÃO E NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA DE ESCOLARES EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE – CE

Autores

  • José de Caldas Simões Neto Centro Universitário Dr. Leão Sampaio
  • Márcio de Oliveira Pinho Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

DOI:

https://doi.org/10.16891/399

Resumo

Os níveis de atividade física representam muito sobre o perfil de um indivíduo, em especial no que diz respeito à qualidade de vida. Nas últimas décadas, tem-se observado grandes mudanças em relação à prática de atividade física, sendo mostrado em diversos estudos que este problema ocorre em consequência da globalização e dos avanços tecnológicos. Portanto, a prática de atividade física é um fator importantíssimo na busca de promover uma boa qualidade de vida, devendo ser estimulada o mais cedo possível, pois hábitos adquiridos durante a infância ou adolescência, tendem a serem seguidos também durante a fase adulta. Nessa perspectiva, o objetivo do presente estudo foi avaliar e comparar a prontidão e os níveis de atividade física dos escolares de uma escola de ensino médio profissionalizante do município de Juazeiro do Norte – CE. A amostra foi composta por 218 alunos, sendo 90 do sexo masculino e 128 do sexo feminino, com faixa etária entre 14 e 19 anos. Para a coleta dos dados foram utilizados o Questionário Internacional de Atividade Física, na sua versão curta, e o Physical Activity Readiness Questionnaire, para determinar o nível de atividade física e a prontidão, respectivamente. Os dados foram analisados por distribuição de frequência e comparando os resultados por sexo, série e curso. Em relação a prontidão, tivemos os meninos com 43,33% e as meninas com 61,72% para recomendação médica antes da prática de atividade física, sendo 54,13% da amostra geral. Notou-se também que os níveis de atividade física dos escolares do sexo masculino estão superiores com 26,66% Muito Ativos e 57,77% Ativos, enquanto as meninas apresentaram um percentual de 12,5% e 41,4%, respectivamente. Ainda sobre o nível de atividade física, observou-se que as turmas do 3º ano apresentaram os melhores índices em relação às demais séries, com 29,03% dos escolares classificados como Muito Ativos e 51,61% Ativos, porém foram os escolares com maiores índices para a falta de prontidão para atividade física, com 58,06% da amostra. Comparando-se a amostra total por curso, observou-se que os escolares do curso de Enfermagem apresentaram os melhores níveis de atividade física com 25,35% classificados como Muito Ativos e 45,07% Ativos, assim como também foi o curso com o maior percentual de escolares com restrições médicas para iniciar a prática de atividade física, com 67,60%. Como considerações finais, podemos observar que a amostra estudada apresenta níveis de atividade física satisfatórios, porém o número representativo de alunos com necessidade de recomendações e acompanhamento para essa prática, é um fator que requer grande cuidado, pois apresenta-se com indicativos elevados, devendo-se buscar maiores conhecimentos sobre esse ponto do estudo para tentar evitar problemas à saúde dos sujeitos envolvidos.

Referências

ASSIS, S. M.; MEDEIROS NETA, O. M. Educação profissional no Brasil (1960 – 2010): uma história entre avanços e recuos. Tópicos Educacionais, Recife, v. 21, n. 2, Jul/dez. 2015.

CAMÕES, M.; LOPES, C. Fatores associados a atividade física na população portuguesa. Rev. de Saúde Pública. São Paulo, v.42, n. 2, p. 208-16, 2008.

CEARÁ. Secretaria de Educação – SEDUC. Escolas Estaduais de Educação Profissional do Ceará. Fortaleza, 2017. Disponível em: <http://www.seduc.ce.gov.br/index.php/educacao-profissional>. Acesso em: 23.04.2017.

CIAVATTA, M.; FRIGOTTO, G.; RAMOS, M. N. A gênese do Decreto nº. 5.154/2004:Um debate no contexto controverso da democracia restrita. In:Ensino médio integrado à educação profissional. Programa Salto para oFuturo. TV escola. Boletim 07. Maio/junho de 2006. Disponível em<http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/boletim_salto07.pdf>. Acesso em: 15.01.2017.

GRABOWSKI, G.Ensino médio integrado à educação profissional. Programa Salto para oFuturo. TV escola. Boletim 07. Maio/junho de 2006. Disponível em<http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/boletim_salto07.pdf>. Acesso em: 15.01.2017.

GUEDES, D. P. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes: estimativas relacionadas ao sexo, à idade e à classe econômica. Rev. Bras. Educ. Fís. Esp. São Paulo, v.20, n.3, p.151-63, jul./set. 2006.

GUEDES, D. P.; LOPES, C. C.; GUEDES, J. E. R. P. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. V. 11, n. 2, p. 151-158, 2005.

HOENHER, C. M.; SOARES, J.; PARRA PEREZ, D.; et al.Intervenções em atividade física na América Latina:uma revisão sistemática. American Journal of Preventive Medicine; vol. 34; n.3; p. 224–33; 2008.Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/184979/mod_resource/content/1/Interven%C3%A7%C3%B5es%20em%20Atividade%20F%C3%ADsica%20na%20Am%C3%A9rric%20Latina.pdf>. Acesso em: 18.03.2017.

LOPES, P. R. N. R.; et al. Prontidão para a prática de atividade física em adolescentes participantes de um torneio universitário. Rev. Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 21, n. 1, p. 132-138, 2013.

MOREIRA, O. C. et al. Aptidão para atividade física regular em estudantes de Educação física da Universidade Federal de Viçosa. Revista HU. V. 36, n. 1, p. 55-59, jan./mar. 2010.

MOURA, D. H. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração.Holos, Ano 23, Vol. 2 - 2007.Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/11/110>. Acesso em: 11.03.2017.

OLIVEIRA, C. D. Nível de atividade física de escolares do ensino médio em escolas da rede estadual de ensino do município de Juazeiro do Norte – CE. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física). Centro Universitário Dr. Leão Sampaio – Unileão. Juazeiro do Norte, CE, 2015.

OLIVEIRA LUZ, L. G.et al. Validade do Questionário de Prontidão para a Atividade Física (PAR-Q) em idosos. Rev. Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 9, n. 4, p. 366-371, 2007.

OLIVEIRA, V. M. O que é Educação física? 11ª Edição. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2006.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial da Saúde 2010: Financiamento dos Sistemas de Saúde. Genebra. OMS, 2010. Disponível em: <http://www.who.int/eportuguese/publications/pt/>. Acesso em: 18.03.2017.

SANTOS, C. C.;et al. A influência da cultura no comportamento alimentar dos adolescentes: uma revisão integrativa das produções em saúde. Revista Adolescência e Saúde. V. 9, nº 4, p. 37-43. 2012.

SANTOS, D.; et al. Estrutura da educação profissional no Brasil: algumas considerações sobre o ensino médio profissionalizante e sobre a educação superior. Revista Sertões, Mossoró – RN. Vol. 3, n. 2, p.47-59, Jul/Dez. 2013.

SILVA, D. A. S.; et al. Nível de atividade física e comportamento sedentário em escolares. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 2009; v. 11, nº 3, p. 299-306.

SILVA, R. C. Avaliação do nível de atividade física e do sedentarismo em adolescentes do ensino médio do Colégio Presidente Geisel. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física). Centro Universitário Dr. Leão Sampaio – Unileão. Juazeiro do Norte, CE, 2014.

SILVA, R. C. D.;et al. Relação do Índice de massa corpórea e somatório de dobras cutâneas com o nível de atividade física de escolares. Revista Univap. V.23, n. 42, p. 73-85, jul. 2017.

SOARES, C. L. Educação Física: raízes européias e Brasil. Editora Autores Associados Ltda, 5ª edição. Campinas – SP, 2017.

VASCONCELOS, E.R.;et al. Nível de atividade física habitual dos estudantes do curso de Administração de Empresas da FUNORTE. Coleção Pesquisa em Educação Física – vol. 11, nº 3, 2012.

Downloads

Publicado

2018-12-24

Edição

Seção

Saúde